NORMAS

PROTEÇÃO DAS MÃOS

EN ISO 374:2016

EN374
 

Riscos Químicos:

Na norma EN 374-1 houve mudanças significativas, como a alteração da norma de permeação, antiga EN374-3, substituída pela EN 16523-1:2015 e inclusão de outros 6 produtos químicos, sendo a seguinte tabela de produtos e letras que os representam, trazida pela norma:

Através da proteção atingida contra os produtos químicos da tabela citada, a luva se enquadrará em: - Tipo A – aprovada em nível 2 (30 minutos) em no mínimo seis produtos químicos; - Tipo B – aprovada em nível 2 (30 minutos) em no mínimo três produtos químicos; - Tipo C – aprovada em nível 1 (10 minutos) em no mínimo um dos produtos químicos.

Outros produtos além dos apresentados na lista em questão, podem ser testados e trazidos nas informações fornecidas pelo fabricante. Esta classificação por tipos das luvas exclui a alta e baixa resistência química.

A versão 2016 da norma, não exige os ensaios mecânicos da EN 388 para as luvas químicas, se tornando então a proteção mecânica uma característica opcional neste tipo de luva.

Para todos os produtos químicos que a luva for aprovada, o ensaio da norma EN 374-4, que apresenta a degradação do material em percentual, deverá sem realizado e informado na bula. É necessário atualizar o pictograma gravado na luva, bem como na documentação – bula/manual de instruções, com o ano de 2016. Abaixo imagem representando novo pictograma e explicação do mesmo.

A norma também exige que seja apresentado ao usuário final os níveis de aprovação para todos os produtos químicos, bem como o percentual de degradação. Logo uma tabela, como a sugerida abaixo, deve constar na bula/manual de instruções:

Além disso, as seguintes frases de segurança são obrigatórias na bula/manual de instruções:

“Essa informação não reflete na duração atual de proteção no local de trabalho e diferenciação entre misturas e químicos puros.” “A resistência química foi avaliada sob condições laboratoriais, de amostras retiradas apenas da palma da luva (exceto em casos onde a luva é igual ou maior a 400 mm – na qual o mangote também é testado) e se refere apenas ao produto químico testado. A resistência pode ser diferente se o produto químico é usado em uma mistura.” “É recomendado checar se as luvas são adequadas para o uso pretendido, já que as condições do local de trabalho podem diferir do teste de tipo dependendo da temperatura, abrasão e degradação.” “Quando usadas, luvas de proteção podem prover menor resistência a produtos químicos devido a mudanças em propriedades físicas. Movimentos, rompimentos, fricções, degradações causadas por contato com produtos químicos, etc., podem reduzir o tempo de uso atual significativamente. Para químicos corrosivos, degradação pode ser o fator mais importante a se considerar na seleção de luvas com resistência química.” “Antes do uso, inspecionar as luvas para qualquer defeito ou imperfeição” :